23 fevereiro, 2007

O primeiro Maraca a gente nunca esquece


Sábado de Carnaval.....depois de curtir o dia inteiro no clube com meus pais, meus tios Marcos, Aline, Cyntia e minha priminha Dominique, finalmente chegamos em casa (cansados claro! depois do dia inteiro na piscina). Almocei rapidamente com meu pai enquanto mamãe cuidava de meu irmão, parecia que o primeiro dia de carnaval terminava ali, mas de repente meu pai me pergunta: “João, vamos no maracanã ver o jogo do Vasco x Fluminense ?”. Não pensei duas vezes, já fui dizendo “Vamos sim papai” e saí correndo para colocar minha camisa do Vasco.

Minha mãe nos levou até a porta do Maracanã pois o jogo estava quase começando, enquanto esperava na fila da bilheteria ví vários policiais e mostrava tudo para meu pai, “Ih, aqueles aí estão com cachorrros”, “Por que aqueles vieram de cavalo?”, “Aquele ali tá com um cacete na mão”, e meu pai pacientemente me explicando tudo. Enfim, depois de um pouco de fila, entramos no Maracanã minha primeira reação quando ví aquele lugar tão grande foi: “Caraca o Maraca é maneiríííííííííííííssimo.” e então, fomos andando para as cadeiras para procurar o melhor lugar para sentar. Não estava muito cheio mas demoramos um pouco para encontrar dois lugares nas primeiras fileiras de cadeiras pois eu queria ficar pertinho do campo. Papai me explicou que antigamente ali onde ficamos era a Geral e as pessoas assistiam ao jogo em pé.

Enquanto o jogo não começava, as pessoas ficavam passeando de um lado para o outro na minha frente, mas eu queria mesmo era ficar em pé na mureta de proteção para poder ver mais de perto aquilo tudo. Perguntei para o papai se podíamos ficar ali e ele me explicou que não era possível pois quando o jogo começa todo mundo tem que sentar para não atrapalhar os outros. Não gostei muito mas logo ví alguns policiais passando com cacetetes na mão e mandando todo mundo sentar e entendi o que ele quis dizer............

Quando o jogo começou, eu não sabia se olhava para o campo, se olhava para a Arquibancada logo atrás de nós e acima, se olhava para o lado, se brincava com o amiguinho que estava do meu lado, se ficava em pé, se ficava sentado, se prestava atenção nas músicas que a torcida cantava. Meu pai ficou preocupado somente com o vocabulário novo que eu ia aprender e as palavras, ou melhor, os palavrões que todos falavam (meu pai mesmo falou um monte deles durante o jogo). Mas era tudo tão grande e tanta coisa para ver que nem prestei muita atenção nisso.

O Jogo foi muito bom, e terminou empatado em 4x4, mas o Fluminense sempre esteve na frente do placar. No segundo tempo comecei a falar que o Romário tinha que entrar, pois estava no banco de reservas e havia feito 3 gols contra o Volta Redonda, 2 semanas antes. Quando ele entrou no jogo, não gostei, pois ele nem tocava na bola e ficava parado o tempo todo (meu pai me disse que era normal e o Romário sempre foi assim). Fiquei falando que ele estava velho e por isso ficava parado e não corria atrás da bola.

Reclamei muito sempre que algum jogador do Vasco sofria falta. Ficava gritando para o Juiz dar um cartão para todos os jogadores do Fluminense. Depois de ver tantas faltas, teve um lance em que o jogador do Fluminense estava correndo para tentar fazer o gol e então soltei o seguinte: “QUEBRA ELE !!! QUEBRA ELE!!!”.......Meu pai começou a rir e um casal que estava na nossa frente também não se conteve, aí papai me disse que se o jogador do Vasco fizesse isso receberia um cartão vermelho e saíria do jogo. Não entendi muito pois o Vasco estava perdendo e o jogo quase acabando.

Felizmente no final do segundo tempo, o Leandro Amaral fez um gol de pênalti e o jogo terminou empatado. Saí do Maraca cantando junto com a torcida: “Au Au Au é Leandro Amaral, Au Au Au é Leandro Amaral...”.


Publicado por : Papai

6 comentários:

Theo disse...

Caraca amigo!! Que aventura!!! eu tbm quero ir no estádio ver meu time jogar, mas vai ter que ser no sul pq meu time do coração é o Internacional (Campeão do Mundo!!!!) e tbm vou ter que crescer um pouquinho mais, né?! E até lá minha mãe vai tentar me convencer de virar Gremista! Abração Theo

Flávia disse...

Pôxa João, que passeio inesquecível, hein?!
Beijos!

Cyntia disse...

Que delícia!! Ir ao maraca é sempre bom, vale pelo espetáculo. Só fiquei triste de não ver meu nome na lista de pessoas que passaram o dia com vcs, afinal foram muitos mergulhos e muita baba, não é?!
BJS

Roseh disse...

Que beleza de passeio né João. E a mamãe e o irmãozinho Caio, como estão? Beijos nos três!

Dinha disse...

Que saudades, minha amigona secreta! Lindos os dois, amei o Caio fantasiado! Bjs!

Claudia Medeiros disse...

Nossa, João, essa sua aventura futebolística deve ter sido demais. Aqui em casa, a Lu gosta muito de ir ao estádio e o Pedro Henrique já presta a maior atenção aos jogos na TV (pra felicidade do pai!)
Beijos pra vc, pra sua mãe e pro Caio.